Moda Ética também é moda com Diversidade

Há alguns dias, aconteceu o tão famigerado Victoria’s Secret Fashion Show, o desfile de loungerie mais glamoroso do mundo. Angels, Fantasy Bra, brilhos, plumas, paetês e cantores pop! Alessandra Ambrósio, Candice Swanepoel, Adriana Lima, Bella Hadid, Lily Aldridge e Karlie Kloos, foram algumas das tops que desfilaram na passarela.

Pela primeira vez, o desfile aconteceu em Xangai, na China. O VSFS já passou por NY, LA, Paris e Londres e chegou na Ásia. E por que Xangai? Porque a China se tornou um dos maiores consumidores do mercado de luxo do mundo e junto com o desfile foi inaugurada a primeira loja da marca no país. Mas a chegada até o país não foi fácil, algumas modelos, como Gigi Hadid, tiveram seus vistos negados e Katy Perry, que seria uma atração musical, também foi negada (ambas por terem feito gestos e ações, publicamente, que são consideradas erradas e contrárias aos costumes chineses).

Mas apesar da mudança de locação, uma coisa não mudou: o desfile. Obviamente, a decoração mudou, as roupas mudaram, as atrações mudaram, mas o que não mudou, então? O esteriótipo das modelos magérrimas que desfilam por lá desde 1995 (o primeiro desfile da marca). Ou seja, o padrão é barriga negativa, sem barriga negativa, sem o segredo da Victoria. Inclusive, existem rumores de que Izabel Goulart foi reprovada por estar fora do padrão!

blog ela e carioca victorias secret fashion show 2017.jpg

Por favor, sem hipocrisia, o desfile é lindo! Mas cadê a diversidade? Cadê as minas plus size, trans, com próteses, mais velhas (inclusive Naomi, apesar de ser considerada “passada”, já foi uma Angel)? Já passou da hora de corpos reais riscarem as passarelas da VS!

Esse foi considerado o desfile mais diversificado da marca, como modelos de 22 países diferentes! Colocar modelos de diferentes etnias e com seus cabelos naturais, é importante, mas não é só isso, não dá pra parar por aí!

A modelo Ashley Graham, postou em seu instragram uma foto, onde aparecia em um desfile de loungerie com asas, fazendo alusão as famosas asas da VS, falando que ela conseguiu suas e criticando a marca.

A modelo Tabria Major, também já recriou anúncios da VS, para mostrar que mulheres com curvas também podem e devem ser sexys e estrelar campanhas de roupas íntimas! Afinal, não são apenas as mulheres magras que compram loungeries, não é mesmo?

Este slideshow necessita de JavaScript.

E vamos prestar atenção, as modelos plus size, já não estão mais apenas nos nichos de moda plus size, elas já estão participando das semanas de moda regulares(com grandes marcas), já estampam capas de grandes revistas de moda, inclusive, o termo “plus size” já pode começar a ser evitado, ele só faz com que aumente a separação entre quem é magra e quem é gorda (já percebeu que uma é usada como elogio e a outra como xingamento? Vamos parar?!).

Além de Ashley e Tabria, grandes nomes estão roubando a cena do mundo da moda com corpos “fora do padrão”, como: Flúvia Lacerda, Candice Huffine, Tara Lyn e muitas outras! Essa representatividade é importante, não apenas, para o mundo da moda, mas, principalmente, para as meninas que estão crescendo, com diversos tipos de corpos e que precisam aprender que não têm nada de errado com isso e que elas são lindas assim, sem a necessidade de um padrão (mas a maioria de nós não está fora dele?)!

Então, senhorita Victoria, em um mundo onde a representatividade está se tornando, cada vez mais, importante, ignorar as outras mulheres só faz com que sua marcar perca o glamour e, logo, ser uma Angel vai deixar de ser cool e será passado! Está na hora de mudar!

 

– O conteúdo desse post também está presente em Consciência Fashion – 

Anúncios

Crônica: Viver o Carnaval.

viviane_araújo_interna017_michele_iassonori
A Rainha das Rainhas do Carnaval Carioca: Viviane Araújo

Com a aproximação do carnaval meu facebook estava dividido em dois grupos: os que amam o carnaval e os que odeiam. Eu tava num grupo do tanto faz. Não amo, não odeio. Não sou uma pessoa do samba (na verdade, minha realização pessoal será quando eu aprender a sambar), mas gosto de assistir um pouquinho dos desfiles (só um pouco) e o melhor é sempre o feriado prolongado! Não consigo entender porque o ano só “começa” depois do Carnaval, mas já me habituei tanto que se tenho coisas pra resolver, só faço depois do Carnaval mesmo.

Vejo meus amigos super empolgados com os blocos, a festança e a pegação. Nunca pisei em um bloco de carnaval, eu detesto multidões, então, pensar em andar numa multidão debaixo de um sol escaldante, já me deixa irritada! Esse ano, pensei em dar uma chance e ir em um bloco, mas no dia tantas coisas deram errado no caminho, que não cheguei nem a subir no ônibus. Definitivamente, blocos não são pra mim (o próprio destino me mostrou isso).

O auge do meu aproveitamento carnavalesco, foi no ano de 2013, quando a convite de amigos, desfilei pela Vila Isabel (ano que a escola foi campeã do Carnaval Carioca). Gostei? Adorei! Faria de novo? Provavelmente, não. A parte de estar na Avenida, passar pelo Sambódromo, foram realmente, emocionantes e muito legais, mas os ensaios no meio da semana e as horas de espera para o começo do desfile não me “agradam”. Eu entendo que tudo isso faz parte do comprometimento com a escola e quem ama a sua escola, faz tudo isso de coração aberto, então eu deixo todo esse envolvimento para quem gosta de verdade, mas foi uma ótima experiência para a vida e eu até recomendo!

Esse ano, meu carnaval foi em uma ilha, com amigos, família e praticamente nenhum sinal de celular( 😥 ), achei ótimo, tinha praia, piscina, crianças e muuuita comida, o tema “Carnaval” quase passou desapercebido, mas teve um baile para as crianças e eu assisti metade do desfile do Salgueiro, só pra poder ver a Viviane Araújo, porque se tem uma Rainha de Bateria que merece esse título é a Vivi! E durante uma semana, nenhum samba foi tocado!

Meu carnaval foi ótimo, mas eu sei que o dos meus amigos no bloco também foi e das pessoas que desfilaram em suas escolas de samba do coração também(minhas duas escolas do coração são Vila Isabel e Salgueiro). Só porque eu não sou uma foliã(mas eu morro de vontade de assistir um desfile na Sapucaí) eu não tenho que querer que todos façam o mesmo que eu no carnaval; vá para todos os blocos ou assista todos os episódios atrasados da sua série, ouça samba o dia inteiro ou vá acampar no interior, seja feliz do jeito que você quiser ser no carnaval, na Sapucaí ou na Igreja!

Agora o carnaval acabou e os grupos de amor e ódio também, mas no próximo tópico “polêmico” eles já vão surgir de novo e eu vou ficar no meio pensando em porque só amar ou odiar, se dá sempre pra tentar tirar o melhor proveito da situação!

  • Então, meu povo, como foi o Carnaval de vocês? Pularam muito ou dormiram muito? Gostaram da crônica?